terça-feira, 2 de outubro de 2018

Um outro final para O Incrível Rapaz que Comia Livros por Inês B.


       

       O Henrique adorava livros, mas não exatamente como nós adoramos livros. Não era bem a mesma coisa … o Henrique adorava comer livros.
       Numa tarde de verão, o Henrique foi passar o seu gato na rua, quando encontrou um livro no chão e decidiu experimentar lamber o livro para ver o sabor. Começou a lamber, comeu uma página e … comeu o livro todo! Sim, o Henrique começou a comer os livros que lhe aparecessem à frente! Entretanto decidiu criar o seu primeiro espectáculo de magia que era: “O incrível rapaz que comia livros”.
       No dia seguinte, foi à biblioteca da Miquelina Pombo buscar livros para comer. Entrou, escolheu livros com muitas cores e comeu, comeu até ficar cheio. Já estava a ficar muito cheio e cansado e decidiu ir embora. Só que houve um livro que ficou só com uma dentada. Foi embora e deixou lá o livro. A professora Alexandra encontrou aquele livro mordido e ficou curiosa ... o título do livro era: o incrível rapaz que comia livros!!!

Inês B., 4.º C


sábado, 23 de junho de 2018

Boas Férias! ...



Despedida de O Clube de Leitura a acompanhar o Coro Infantil da Academia de Música de Almada com O segredo da Floresta De Margarida Fonseca Santos às 10:30 no auditório da escola Elias Garcia 💞
#clubedeleitura
#AcademiadeMusicaAlmada

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Subindo as escadas do sótão - Afonso Cruz


"Subindo as escadas do sótão dos meus avós, havia muitos cavaleiros andantes – a colecção de formato mais pequeno e a maior, ambas quase completas – e revistas Tintin, bem como vários livros de western com fotografias de actrizes como Gina Lollobrigida [sic] na contracapa e títulos fatais na capa (Erro Mortal, Alento de Morte, Beleza Mortal ou Vento Mortal). Também havia revistas Popular Mechanics, alguns Almanach Bertrand e livrinhos de humor com títulos como Selecções Can Can, Proibido Buzinar e Humor Parisiense (onde se liam piadas como «o maior problema das famílias de hoje é sobrar tanto mês depois de o dinheiro acabar», além de citações não creditadas de, por exemplo, Groucho Marx). No meu quarto tinha muita banda desenhada franco-belga (O Raio U foi um dos livros mais lidos) e os clássicos do costume: Stevenson, Wells, Dumas, Verne, contos de Grimm, as fábulas de Ésopo. Das Publicações Alfa, li repetidamente a colecção Carlitos (era assim que, na altura, Charlie Brown era conhecido) e Os Sobrinhos do Capitão. Da Enid Blyton não li mais do que três ou quatro livros de Os Cinco, mas li todos Os Sete e Colecção Mistério. A minha infância acabou, não com a puberdade, mas com um pequeno livro de Dostoiévski chamado Sonho de um Homem Ridículo, da colecção Mosaico". 
https://dl-web.meocloud.pt/dlweb/EVvYIduVXsPfCEU0_FwJHQ/download/2014%202015/lmi_afonsocruz_b.pdf

terça-feira, 29 de maio de 2018

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Leituras às turmas 1º A, B e C

Hoje o Cuquedo visitou as turmas de 1° ano e animou o auditório 😊
#clubedeleitura #leituras #paulogalindro #claracunha #Livros
Bibliotecas Elias Garcia


segunda-feira, 14 de maio de 2018

A ensaiar as nossas leituras partilhadas deste mês

O Cuquedo e um Amor que Mete Medo é uma nova história da dupla Clara Cunha e Paulo Galindro.

A Matilde está Careca
de Francisco Gojara da Silva